REPRESENTAÇÕES DE ARITMETICA NO LIVRO DE GEORG BÜCHLER

Circe Mary Silva da Silva Dynnikov

Resumo


Este artigo tem como foco central  a análise da obra Arithmetica Elementar de Georg August Büchler, cujo primeiro volume foi publicado em 1919, pela editora Melhoramentos, em São Paulo. É objetivo do presente estudo identificar as representações de aritmética que esse autor inseriu nos livros de aritmética que redigiu para o ensino primário. Contempla dados biográficos do autor bem como apresenta um panorama sobre a cultura escolar no seminário de formação de professores em Bensheim, estado de Hessen (Alemanha), no início do século XX. A metodologia de pesquisa documental contempla os livros didáticos por ele escritos sobre a aritmética, em três volumes; Caderno Auxiliar do Arithmetica Elementar vol. I; os documentos originais do Arquivo de Blumenau, que auxiliaram a constituir notas biográficas do autor; artigos de pesquisadores brasileiros que já investigaram sobre esse autor e a obra de Fleck sobre a História dos Seminários de Formação de Professores em Darmstadt. A escolha do livro didático de Büchler, constante do acervo do Repositório da UFSC, representa exemplarmente uma transposição da pedagogia alemã para o Brasil, com ênfase no método intuitivo de Pestalozzi.  Büchler é um dos agentes culturais, que faz uma transferência de saberes matemáticos elementares da Alemanha para o Brasil, no início do século XX.


Texto completo:

PDF

Referências


BOSER, Lukas (2014). Äpfel mit Birnen vergleichen – lebesmittel in Rechenbüchern. Berner Zeitschrift für Geschichte BEZG-online. 76 (3), 6-20.

BÜCHLER, Georg August (1919a). Arithmetica Elementar. Livro I. São Paulo e Rio: Weiszflog Irmão.

______ (1919b). Arithmetica Elementar: Caderno Auxiliar do Livro I. São Paulo e Rio: Weiszflog Irmão.

______ (1942). Aritmética Elementar. Vol. 1. 4a ed. São Paulo: Melhoramentos.

______ (1923). Arithmetica Elementar. Vol. 2. 3a ed. São Paulo: Melhoramentos.

______ (1924). Arithmetica Elementar. Vol. 3. 2a. São Paulo: Melhoramentos.

BURKE, Peter (2004). Testemunha ocular. Bauru: EDUSC.

COSTA, Heribaldo (1923). O ensino da matemática nas escolas primárias. Revista Nacional. 657-664, Ano II, n. 10.

COSTA, David Antonio (2010). A Aritmética escolar no ensino primário brasileiro: 1890-1946. (Tese de Doutorado). PUC-SP.

ESPAGNE, Michel (1988). Transferts. Les relations interculturelles dans l’espace franco-allemand (XVIII-XIX siècles). Paris, Recherches sur les Civilisations.

FLECK, Peter (1987). Lehrerbildung in Hessen – Darmstadt (1770-1918): Vorgeschichte und Geschichte der grossherzoglichen Seminare in Bensheim, Friedberg, Alzey un Darmstadt. Darmstadt und Marburg: Selbstverlag der Hessischen Kommission Darmsatdt und der Historischer Kommission für Hessen.

GOODMAN, Nelson (2006). Linguagens da arte: uma abordagem a uma teoria dos símbolos. Lisboa: Gradiva.

LUNA, José Marcelo. Pelos 100 anos de um marco para o ensino de português como língua segunda/estrangeira. Disponível em < http://llp.bibliopolis.info/confluencia/rc/index.php/rc/article/view/75>. Acesso em 02/11/2015.

PESTALOZZI, J. (1889). Cómo Gertudis enseña a sus hijos. Tradução de José Tadeo Spúlveda. Coatepec: Ripografia de Antonio M. Rebolledo.

RENN, Jürgen (2010). (Ed) The Globalization of knowledge in history. Berlin: Max Planck Research Library for the History and Development of Knowledge.

RODRIGUES, Elenice (2009). A história global: abordagens comparatistas e cruzadas. In Anais da ANPUH – XXV Simpósio Nacional de História, Universidade Federal do Ceará (p. 1-8).Fortaleza, Ce.

______ (2010). Transferência de saberes: modalidades e possibilidades. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 53, 203-225, jul./dez. Editora UFPR.

STOËTARD, M. (2010). Johann Pestalozzi. Recife: Editora Massangana.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista de História da Educação Matemática

Indexadores, Base de Dados e Repositórios:

HISTEMAT - Revista de História da Educação Matemática, e-ISSN: 2447-6447
Sociedade Brasileira de História da Matemática

Licença Creative Commons
HISTEMAT esta licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.