O ENSINO DE ARITMÉTICA NO PROGRAMA DO ENSINO PRIMÁRIO DO ESTADO DA GUANABARA (1961)

Denise Medina França

Resumo


RESUMO

Com a fundação de Brasília em 1960 e a transferência da capital federal para lá, gerou uma nova estrutura federativa: o estado da Guanabara, inaugurando um período de transformações na estrutura organizacional das escolas primárias do novo estado. Além das responsabilidades delegadas aos estados pela LDB 4.024/1961[i] de organizar seus sistemas de ensino, a Guanabara tinha que estruturar toda sua organização administrativa. Nesse cenário, procuramos buscar analisar o Manual didático que deu origem ao Programa do ensino primário do estado da Guanabara norteando a implementação do ensino primário no novo estado. Quais os saberes matemáticos elementares dessa escola na década de 1960? O que pode ser lidos sobre esses saberes elementares Aritméticos no programa oficial utilizado pelos professores primários? Fizemos uso da abordagem da História cultural e nos apoiamos nos conceitos de representação, apropriação e estratégias, postas por Chartier (1991) e Certeau (1982). Concluímos que o ensino da aritmética nas series iniciais, acompanhou às recomendações dos campos da Psicologia e da Didática. O artigo ainda procura ressaltar a apropriação das ideias escolanovistas, defendendo uma abordagem prática, utilitária, graduada e agradável para a Aritmética.

 

 

Palavras-chave: Manuais pedagógicos. Aritmética. Curso primário


[i] A Lei foi considerada um avanço em prol da descentralização da educação: manteve as estruturas tradicionais do ensino, em relação às anteriores de 1942-1946, exceto pela proposição de currículos flexíveis e de mecanismos democratizantes, do tipo aproveitamento de estudos entre o ensino técnico e o acadêmico. Pela primeira vez, uma legislação conseguia fixar diretrizes gerais para a Educação nacional, ao abordar todos os níveis e com validade para todo território nacional, dando passos importantes para a unificação dos sistemas de ensino na descentralização e flexibilização curriculares. Também inovou ao propor um planejamento educacional e a abertura de novas experiências, como a criação dos ginásios vocacionais e pluricurriculares. (FRANÇA, 2012) 


Texto completo:

PDF

Referências


Certeau, Michel de (1982). A Escrita da História. Rio de Janeiro. Brasil: Forense-Universitária.

Correia, A. C. L.; Silva, V. B.(2003). Uma história de leituras para professores: manuais pedagógicos, formação docente e construção de identidades profissionais em Portugal e no Brasil (1930-1970). In: Anais do Congresso. Congresso de leitura do Brasil- COLE, 14. Campinas.

Chartier, R. (1991). O mundo como representação. In: Estudos Avançados [online]. 1991, v.5, n.11, pp. 173-191. Disponível em . Consultado em: 28 nov. 2015.

França, D. M. de A. (2012) Do primário ao primeiro grau: as transformações da matemática nas orientações das Secretarias de Educação de São Paulo (1961 - 1979). Tese de Doutorado. Faculdade de Educação. USP. São Paulo. Disponível em . Consultado em: 25 jan. 2016.

França, D. M. de A.; Villela, L. M. A. (2015). Notícias do Rio de Janeiro: Aritmética, Geometria e Desenho no Ensino Primário (1890-1970). JIEEM – Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática; IJSME – International Journal for Studies in Mathematics Education. v. 8, n. 1, p. 155-176. Disponível em . Consultado em: 15 mai. 2015.

Guanabara (1965). Programa para o Curso Primário do estado da Guanabara. 6ª edição. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/134100. Consultado em 28 jan.2016.

Jornal do Brasil. (21 de agosto de 1981). 1º caderno. p.3. Obituário. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=030015_10&pesq=AFRO%20DO%20AMARAL%20FONTOURA. Consultado em: 29 jan. 2016.

Maciel, L. S. B.; Vieira, S,, F. C. L.. Afro do Amaral Fontoura: estudos, produções e a escola viva. Disponível em: Revista HISTEDBR On-Line. Consultado em 30 jan. 2016.

Pestalozzi, J. E. Cómo Geetrudis enseña a sus hijos: fines y métodos de la éducacion del Pueblo. Cartas dirigidas a Gésser. (José Tadeo Sepúlveda) (versão chilena). (Obra originalmente publicada em 1889). Disponível em Consultado em: 22 nov. 2015.

Silva, M. C. L.; Valente, W. R. (2013). Uma breve história do ensinar e aprender matemática nos anos iniciais: uma contribuição para a formação professores. In: Educ. Matem. Pesq., v.15, Número Especial, p.857-871.

Villela, L. M. A et al.(2016). Os experts dos primeiros anos escolares: a construção de um corpo de especialistas no ensino de Matemática, 1930-1970. In: Pinto, N. B.; Valente, W.(org.) Saberes elementares matemáticos em circulação no Brasil: dos documentos oficiais às revistas pedagógicas 1890-1970. São Paulo: Livraria da Física, v.1, p. 245-292.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista de História da Educação Matemática

Indexadores, Base de Dados e Repositórios:

HISTEMAT - Revista de História da Educação Matemática, e-ISSN: 2447-6447
Sociedade Brasileira de História da Matemática

Licença Creative Commons
HISTEMAT esta licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.