O CURSO DE CIÊNCIAS E A FORMAÇÃO DOCENTE DE MATEMÁTICA EM JEQUIÉ - BA: os registros dos diários dos professores, as memórias das alunas e os cadernos (1977 – 1980)

Januária Araújo Bertani, Malú Rosa Brito Gomes, Francisleide da Silva Pires Santana

Resumo


Este artigo trata de uma pesquisa que teve como objetivo escrever uma história do Curso de Ciências da Fundação Faculdade de Formação de Professores de Jequié (FFFPJ), compreendendo-o como uma das primeiras ações para constituição do que seria, hoje, o Curso de Licenciatura em Matemática com Enfoque em Informática. Seu recorte histórico data de 1977 a 1980, período da primeira turma do curso. Para análise contou-se com dois cadernos de uma ex-aluna das disciplinas Fundamentos de Matemática Elementar I e Fundamentos de Matemática Elementar II, Diários de Classe das disciplinas didático-pedagógicas e específicas de Matemática e depoimentos de duas ex-alunas da primeira turma. De acordo com a estrutura curricular, o curso era de curta duração, com apenas três anos, o que o caracterizava como um processo aligeirado, de modo a representar os cursos de “licenciatura curta” em razão da falta de professores, principalmente na área de Ciências (Matemática, Química, Física e Biologia), tendo desta maneira a formação de professores polivalentes. Muitas foram as dificuldades enfrentadas pelos primeiros protagonistas, precursores da faculdade, desde a falta de professores à infraestrutura. Já os registros nos Diários de Classe dos professores e nos cadernos da ex-aluna apresentam indícios dos princípios da tendência tecnicista, que tinha como finalidade adequar a educação às exigências da sociedade tecnológica e industrial. Um dos vestígios dessa tendência são os exercícios de fixação encontrados nos cadernos escolares que tinham como função o treinamento por meio da repetição e a prática de memorização.


Texto completo:

PDF

Referências


Braga, M. N. S. (2012). O Programa de Treinamento e Aperfeiçoamento de Professores de Ciências Experimentais e Matemática – PROTAP (1969-1974): sua contribuição para a modernização do ensino de matemática. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador/Feira de Santana, BA, Brasil.

Chapani, D. T. (2012). A formação de professores na gênese do sistema estadual de ensino superior da Bahia. Revista Brasileira de História da Educação. 12 (1), 145-166. Recuperado em 20 outubro, 2016, de

http://www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/324

Costa, L. P. (2011). Algumas Considerações acerca da Didática e da Educação Matemática na Educação Básica. In I Jornada de Didática – O Ensino como foco, I Fórum de Professores de Didática do Estado do Paraná. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/jornadadidatica/pages/arquivos/ALGUMAS%20CONSIDERACOES%20ACERCA%20DA%20DIDATICA%20E%20DA%20EDUCACAO%20MATEMATICA%20NA%20EDUCACAO%20BASICA.pdf

Cruz, G. B., & André, M. E. D. A. (2014). Ensino de Didática: um estudo sobre concepções e práticas de professores formadores. Educação em Revista. 30 (4), 181-203. Recuperado em 5 outubro, 2016, de

http://www.scielo.br/pdf/edur/v30n4/09.pdf

D’Ambrosio, B. S. (1989). Como ensinar matemática hoje? Temas e Debates. SBEM. (2), 15-19. Recuperado em 10 outubro, 2016, de

https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1953133/mod_resource/content/1/%5B1989%5D%20DAMBROSIO%2C%20B%20-20Como%20Ensinar%20Matem%C3%A1tica%20Hoje.pdf

Ferreira, E. F. (1983). Licenciatura de Curta Duração: solução emergencial ou definitiva? Revista Sitientibus. 2 (3), 155-163. Recuperado em 5 outubro, 2016, de

http://www2.uefs.br/sitientibus/pdf/3/lincenciatura_de_curta_duracao.pdf

Fiorentini, D. (1995). Alguns modos de ver e conceber o ensino de matemática no Brasil. Revista Zetetiké. 3(4), 1- 37. Recuperado em 16 outubro, 2016, de

http://ojs.fe.unicamp.br/ged/zetetike/article/view/2561

Gaertner, R.& Oechsler, V. (2009). Prática de ensino e estágio supervisionado na formação do professor de matemática. Revista Eletrônica de Educação Matemática - REVEMAT. 4 (1), 67-77. Recuperado em 20 outubro, 2016, de

https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1981-1322.2009v4n1p67

Goulart, J. M. M. (2007). Formação do professor de Matemática entre a competência técnica e a dimensão ética. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, SP, Brasil.

Julia, D. (2001). A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação. 1 (1), 9-43. Recuperado em 10 outubro, 2016, de

http://www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/273/281

Kirchner, C. A. S. M. (2009). O caderno de alunos e professores como produto da Cultura Escolar. In V Congresso de Pesquisa e Ensino de História da Educação em Minas Gerais. Disponível em: http://docplayer.com.br/17030210-O-caderno-de-alunos-e-professores-como-produto-da-cultura-escolar.html

Lando, J. C. Práticas, inovações, experimentações e competências pedagógicas das professoras de matemática no Colégio de Aplicação da Universidade da Bahia (1949-1976). Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador/Feira de Santana, BA, Brasil.

Luckesi, C. C. (1994). Filosofia da Educação. (Coleção magistério 2° grau. Série formação do professor). São Paulo: Cortez. Disponível em:

http://www.biblioteca.sumare.edu.br/vinculos/PDF_OBRAS/3307_miolo.pdf

Nascimento, T. R. A. (2012). A criação das Licenciaturas Curtas no Brasil. Revista HISTEEDBR On-Line. 12(45), 340-346. Recuperado em 5 outubro, 2016, de

http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/45/doc01_45.pdf

Nóvoa, A. (2002). O Espaço Público da Educação: imagens, narrativas e dilemas. In A.et al. Prost. Espaços da Educação - Tempos de Formação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Parecer CNE/CP Nº 29/2002. (2002). Diretrizes Curriculares Nacionais no Nível de Tecnológico.

Parecer nº 292/62. (1962). Currículos mínimos de nível superior.

Pereira, J. E. D. (1999). As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade. (68), 109-125. Recuperado em 10 outubro, 2016, de

http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a06v2068.pdf

Queiroz, D. R., Oliveira, F. R. G., Freitas, M. N., Cunha, N. B.,Cunha, N. C., Cunha, T. N. B. (2015). SABERES DOCENTES NAS DÉCADAS DE 70 E 80. Cadernos da Fucamp, 14(21),15-29. Recuperado em 10 outubro, 2016, de

http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/cadernos/article/viewFile/538/393

Rabelo, M. A. (2005). Narrativas de uma Existência. Jequié: UESB, 2005.

Santos, A. M. F. (2011). Uma aventura universitária no Sertão Baiano: da Faculdade de Educação à Universidade Estadual de Feira de Santana. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação, Salvador, BA, Brasil.

Valente, W. R. (2001). Exames e provas como fontes para História da Educação. In Os exames de admissão ao Ginásio: 1931 – 1969 [CD]. São Paulo: Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista de História da Educação Matemática

Indexadores, Base de Dados e Repositórios:

HISTEMAT - Revista de História da Educação Matemática, e-ISSN: 2447-6447
Sociedade Brasileira de História da Matemática

Licença Creative Commons
HISTEMAT esta licenciada com a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.